28.3.09

Como gosto de escolher maçãs - cap. 7


Lá estava ele, parado em minha porta, com o vento acariciando seus cabelos.
Era o cara do bar, parado, na minha frente.
Quando bati meus olhos naquele rosto tão familiar, senti meus joelhos cederem. Borboletas começaram a voar na minha barriga, e se eu tentasse falar alguma coisa, provavelmente nada sairia.
Ele estava lindo sob aquela luz. Pela pouca distancia, percebi que seus olhos eram verdes. Como os meus. O cabelo estava mais denso, o rosto um pouco sujo, mas ele continuava lindo. Aí ele riu.
Eu me assustei, me assustei muito com aquele som. Parecia comigo.
Larguei a porta e dei alguns passos para traz. Acabei prendendo o pé em um buraco. Ótimo, estava prestes a me espatifar no chão na frente do cara do bar.
Mas não, ele conseguiu me segurar. Como que em uma dança, ele me segurou pela cintura e me puxou de volta para si. Me abraçou e sorriu.
-Eu estou te esperando há tanto tempo.
Ele era encantador de mais. Fatal de mais. Porém, eu estava começando a duvidar de que ele era apenas humano. Fiquei com medo de que fosse um disfarce qualquer de Destino.
Tentei me separar um pouco, mas ele era incrivelmente forte, e cada vez que eu o empurrava, mais ele me apertava.
-Anda, me solta logo de uma vez. Já sei quem você é, pare de brincar.
-Já sabe quem sou? Como?
Ele me soltou, mas como eu estava empurrando-o o tempo todo, acabei caindo no chão. Algo assim tinha que acontecer, sempre.
Sem perder toda a classe que eu nunca tive, me levantei e me coloquei numa pose que devia impor alguma autoridade. Comecei a falar.
-Não adiante Destino, você é muito bobo. A gente já se conhece há tempo suficiente para eu saber que você se fantasia. É meio ridículo isso, no final você sempre vai me mandar fazer algo ruim. Agora, por favor, volte a ser como é que esse seu novo rosto me incomoda, e aí sim poderemos conversar.
O cara do bar me olhou, tossiu de alguma forma estranha, me olhou de novo. Parecia que ele queria vomitar.
-Certo, acho que meu disfarce não funcionou. Mas não irei tirá-lo por enquanto. Eu só gostaria que você fosse colher algumas maçãs para mim, assim poderei te ensinar algumas coisas.
-Hmm... então finalmente saberei como envenenar uma maçã?
-E se você ficar boa nisso, posso te ensinar a roubar sapatinhos de cristal.
Rimos juntos, eu adorava contos de fada. Desde criança, esse era o tipo de coisa que eu lia para me animar nos piores momentos. Estava gostando desse novo Destino.
-Corra menina, eu não tenho todo o tempo do mundo. Corra e traga-me as maçãs mais vermelhas e suculentas.
Continuei a sorrir. Sai de minha casa e corri pelo campo que tinha em frente. Dei voltas e voltas pelo lugar, pensando naqueles olhos verdes e no dialogo. Pensei na nossa conversa o tempo todo. Acabei me esquecendo que a única macieira que havia por perto ficava a alguns quilômetros de distancia, então acabei demorando um pouco mais que o normal.
Cheguei ao pé da arvore com algumas gotas de suor em minha testa.O sol estava forte, ofuscando meus olhos e deixando o resto dos animais com preguiça para sair de suas tocas aconchegantes.
Colhi a primeira maçã, vermelha e gorda, e a deixei no chão. Me agarrei aos galhos, cortando joelhos e dedos no esforço de subir.
A arvore já era velha e seca. Achava um milagre ela ainda dar frutos.
Consegui 7. Sete belas maçãs, enormes, vermelhas. Pareciam deliciosas, mas não me atrevi a experimentar uma sequer.
Segurei-as em meus braços e voltei, caminhando com pressa, com medo de que as frutas caíssem no chão. Mesmo que fossem para mim, se alguma delas se amassasse ou coisa do tipo, eu não ia me perdoar. Estavam bonitas de mais.
Cheguei suada, suja, e com as maçãs intactas. Sorrindo, coloquei-as sobre um pano estendido no chão e olhei para o cara do bar. Ele me olhou, se divertindo. Novamente, parecia que ia vomitar.
-O que houve, você não gosta de maçãs? Me mandou pegar algumas, mas nem irá tocá-las?
-Não é isso. É que você caiu. Achava que Destino escolhia melhor seus ajudantes.
-Mas você não é Destino?
-Na verdade não, não sou. Sou Nicolas. Não se assuste por eu saber muito sobre você. Ando te observando há algum tempo. E posso dizer que te entendo, pois passei - e ainda passo – pelo seu mesmo dilema.
Seu nome era Nicolas. Ele provavelmente também tinha sido vitima de Destino. Mas uma coisa ainda não se encaixava na minha cabeça.
-Porque pediu que eu trouxesse maçãs?
-Eu gosto de maçãs. E de contos de fada, se não percebeu.
Eu gostava cada vez mais de Nicolas, tinha certeza de que seriamos bons amigos. Sorri para dentro e comecei a brincar com uma fruta.
Ele riu novamente, pegou uma maçã, e comeu.
__________________________________________________________
Agora, alem da historia, vou indicar uma musica/banda que eu gosto. Dessa vez, vou indicar o Rodrigo Del Arc. A musica 'Trip' é uma das minhas favoritas. Você pode escutar em www.myspace.com/rodrigodelarc

5 comentários:

Gabih, ou como preferir me chamar. disse...

aaaaamay. *-*
tu me encanta a cada palavra da tua historia, cara. Nicolas ein? imagino que ainda vou ter surpresas com ele. *-* ja quero \o

Laís Dias disse...

eu ainda não tinha postado, mas tinha dado uma entrada para olhar o capítulo. Bom, só desejo que vc não fique tão ocupada quanto eu no ano que vem, quando vc estiver no primeiro ano =/
E caramba, isso foi bem curioso, quem será ele? E porque eu tenho a impressão que ele é mais um do mal? Algum que no fim eu vou torcer para que seja esmagado? =.
Talvez eu esteja sádica, ou certa, então só vou torcer para que vc poste logo o oitavo capítulo =D
Beijos!

ps - vc não pensou que alice e fernando sendo "irmãos" podem ter algumas vantagens?

Ana Marta disse...

aah muito grande e estou fazendo o trabalho do Tony , até comecei a ler mas não entendi o começo sendo que eu comecei de baixo para cima .
hahahahah
adorei sua dica , rodrigo delarc .
uuui nenem .
você leu meu texto ?
te aamo, alice
ahhahahahhahahah
um beijo

Gárgola disse...

Não sei o que dizer ;)*!!!! Você está se superando a cada capítulo. Realmente é muito difícil manter o suspense e o ritmo da trama e você está conseguindo.

Muitos beijos!!!

ana m. disse...

leitora nova,
amei a história, amei o blog !
beijãoo