5.11.10

Mergulho


Sentei na areia daquela praia que guardava os segredos da minha infância. Quinze longos anos já tinham se passado desde a ultima vez que eu andara pela orla que agora abrigava rostos estranhos e algumas comerciais. Aquele vendedor de doces não estava mais ali, nem seu sorriso pálido ou suas palavras acolhedoras. Sua alma agora devia vagar por lugares desconhecidos e, provavelmente, melhores que aquela costa que agora não se importava em costa ser mais.
A areia úmida fez-se de objeto único, fez-se de cama para mim, que já não tinha mais nada, nem apoio, nem morada, e nela eu fiquei por longo tempo, indeterminado e necessário, a ver vida passar andando, o ar molhadamente salgado como se tivesse acabado de nadar no oceano que a frente se deitava, só.
O mar me intrigava. Se não fosse eu, mulher solitária sentada na areia a pensar, seria mar imensidão de agua só a nadar em mim e a me conhecer sem espantos mas com espasmos orgásticos de curiosidade e afeição.
Fechei meus olhos cegos, acostumados somente com o material e fútil, e, sentada, pus-me a escutar o cântico entoado pelas ondas. Sentada e sem ver. Somente a ouvir. E o mar falava. Sussurrava em meu ouvido segredos de seus caros amigos, casos de vidas alheias, receitas e almas perdidas. Falavam também de suicidas, brigas e novidades, comentou algumas saudades, algumas memórias, contou-me histórias, seus frios e tenros amores, todas as ânsias e dores, desejos profundos, sonhos e cantigas.
Quando dei por mim, não me dei. Não era mais eu a escutar. Agora era eu que falava, com a voz toda encharcada. E eu sentia que crescia, expandia, tomava-me por um espaço que já não era mais eu, e sim o infinito.
Agora eu era o mar. Oceano azul-verde-cinza, de humores e mágoas, de liberdades. Eu era o mar. Era o poder. E, enfim, percebi que vivia

5 comentários:

Gárgola disse...

Precioso texto!!!! Você se supera a cada dia. A verdade é que a sua utilização da linguagem como instrumento de deleite me fascina.
Nao demore tanto para publicar, plis.

beijo

esdras disse...

Li, reli, li novamente. Te digo que devorei cada frase. Denso, reflexivo, maduro. Da sua melhor safra. beijo

LP disse...

Toda vez que eu venho aqui eu acho um texto melhor que o outro.
Ótimo texto, ótimo mesmo.
Beijos

Flor Baez disse...

Muito bacana!!! Seu blog é maravilhoso!

Flor Baez disse...

Muito bacana!!! Seu blog é maravilhoso!