30.11.10

Sortudo é o Peixe



Queria eu ser como o peixe
E ter memória de 15 segundos
Sempre a nadar no infinito
Sempre a desconhecer o mundo

Queria eu ser como o peixe
Que toda vez que o mundano acontece
Ele vê como novidade
E logo depois, esquece

Queria eu ser como o peixe
Que não se lembra de horários
Não se importa com datas
E muito menos com as chaves do carro

Queria eu amar como o peixe:
A cada 15 segundos
Te amo de novo
E de novo e novo

Queria eu desamar como o peixe:
A cada 15 segundos
Não se lembra dos outros 15
Que, cego, desperdiçou

6 comentários:

Brunno Lopez disse...

O delírio marinho parece ser mesmo a solução de nossos problemas cardiovasculares?

O poema é puramente belo de se ler. Que desejo nada obtuso o amor em 15 segundos repetidos por todo o sempre?

Comentários diferenciados são sempre muito mais bem-vindos.

esdras disse...

Lindo.

esdras disse...

Lindo.

Vaninha disse...

Muito lindo!Vc é danadinha!
bjos

LP disse...

Ah, quem não queria ser um peixinho e esquecer de tudo, viver cada segundo intensamente... Felizes são os peixinhos!
Beijos

hrc disse...

muito bom!